segunda-feira, 16 de novembro de 2009

A CRUZ


“Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim…” (Gl 2.19b-20).
A ilusão do “símbolo” do cristianismo

]Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim…” (Gl 2.19b-20).
A ilusão do “símbolo” do cristianismo
Os elementos anticristãos do mundo secular dariam tudo para conseguir eliminar manifestações públicas da cruz. Ainda assim, ela é vista no topo das torres de dezenas de milhares de igrejas, nas procissões, sendo freqüentemente feita de ouro e até ornada com pedras preciosas. A cruz, entretanto, é exibida mais como uma peça de bijuteria ao redor do pescoço ou pendurada numa orelha do que qualquer outra coisa. É preciso perguntarmos através de que tipo estranho de alquimia a rude cruz, manchada do sangue de Cristo, sobre a qual Ele sofreu e morreu pelos nossos pecados se tornou tão limpa, tão glamourizada.
Não importa como ela for exibida, seja até mesmo como joalheria ou como pichação, a cruz é universalmente reconhecida como símbolo do cristianismo – e é aí que reside o grave problema. A própria cruz, em lugar do que nela aconteceu há 19 séculos, se tornou o centro da atenção, resultando em vários erros graves. O próprio formato, embora concebido por pagãos cruéis para punir criminosos, tem se tornado sacro e misteriosamente imbuído de propriedades mágicas, alimentando a ilusão de que a própria exibição da cruz, de alguma forma, garante proteção divina. Milhões, por superstição, levam uma cruz pendurada ao pescoço ou a tem em suas casas, ou fazem “o sinal da cruz” para repelir o mal e afugentar demônios. Os demônios temem a Cristo, não uma cruz; e qualquer um que não foi crucificado juntamente com Ele, exibe a cruz em vão.
A “palavra da cruz”: poder de Deus
Paulo afirmou que a “palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus” (1 Co 1.18). Assim sendo, o poder da cruz não reside na sua exibição, mas sim na sua pregação; e essa mensagem nada tem a ver com o formato peculiar da cruz, e sim com a morte de Cristo sobre ela, como declara o evangelho. O evangelho é “o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm 1.16), e não para aqueles que usam ou exibem, ou até fazem o sinal da cruz.
O que é esse evangelho que salva? Paulo afirma explicitamente: “venho lembrar-vos o evangelho que vos anunciei… por ele também sois salvos… que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (1 Co 15.1-4). Para muitos, choca o fato do evangelho não incluir a menção de uma cruz. Por quê? Porque a cruz não era essencial à nossa salvação. Cristo tinha que ser crucificado para cumprir a profecia relacionada à forma de morte do Messias (Sl 22), não porque a cruz em si tinha alguma ligação com nossa redenção. O imprescindível era o derramamento do sangue de Cristo em Sua morte como prenunciado nos sacrifícios do Antigo Testamento, pois “sem derramamento de sangue não há remissão” (Hb 9.22); “é o sangue que fará expiação em virtude da vida” (Lv 17.11).
Não dizemos isso para afirmar que a cruz em si é insignificante. O fato de Cristo ter sido pregado numa cruz revela a horripilante intensidade da maldade inata ao coração de cada ser humano. Ser pregado despido numa cruz e ser exibido publicamente, morrer lentamente entre zombarias e escárnios, era a morte mais torturantemente dolorosa e humilhante que poderia ser imaginada. E foi exatamente isso que o insignificante ser humano fez ao seu Criador! Nós precisamos cair com o rosto em terra, tomados de horror, em profundo arrependimento, dominados pela vergonha, pois não foram somente a turba sedenta de sangue e os soldados zombeteiros que O pregaram à cruz, mas sim nossos pecados!
A cruz revela a malignidade do homem e o amor de Deus
Assim sendo, a cruz revela, pela eternidade adentro, a terrível verdade de que, abaixo da bonita fachada de cultura e educação, o coração humano é “enganoso… mais do que todas as cousas, e desesperadamente corrupto” (Jr 17.9), capaz de executar o mal muito além de nossa compreensão, até mesmo contra o Deus que o criou e amou, e que pacientemente o supre. Será que alguém duvida da corrupção, da maldade de seu próprio coração? Que tal pessoa olhe para a cruz e recue dando uma reviravolta, a partir de seu ser mais interior! Não é à toa que o humanista orgulhoso odeia a cruz!
Ao mesmo tempo que a cruz revela a malignidade do coração humano, entretanto, ela revela a bondade, a misericórdia e o amor de Deus de uma maneira que nenhuma outra coisa seria capaz. Em contraste com esse mal indescritível, com esse ódio diabólico a Ele dirigido, o Senhor da glória, que poderia destruir a terra e tudo o que nela há com uma simples palavra, permitiu-se ser zombado, injuriado, açoitado e pregado àquela cruz! Cristo “a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz” (Fp 2.8). Enquanto o homem fazia o pior, Deus respondia com amor, não apenas Se entregando a Seus carrascos, mas carregando nossos pecados e recebendo o castigo que nós justamente merecíamos.
A cruz prova que existe perdão para o pior dos pecados
Existe, ainda, um outro sério problema com o símbolo, e especialmente o crucifixo católico que exibe um Cristo perpetuamente pendurado na cruz, assim como o faz a missa. A ênfase está sobre o sofrimento físico de Cristo como se isso tivesse pago os nossos pecados. Pelo contrário, isso foi o que o homem fez a Ele e só podia nos condenar a todos. Nossa redenção aconteceu através do fato de que Ele foi ferido por Jeová e “sua alma [foi dada] como oferta pelo pecado” (Is 53.10); Deus fez “cair sobre ele a iniqüidade de nós todos” (Is 53.6); e “carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados” (1 Pe 2.24).
A morte de Cristo é uma evidência irrefutável de que Deus precisa, em Sua justiça, punir o pecado, que a penalidade precisa ser paga, caso contrário não pode haver perdão. O fato de que o Filho de Deus teve que suportar a cruz, mesmo depois de ter clamado a Seu Pai ao contemplar em agonia o carregar de nossos pecados ["Se possível, passe de mim este cálice!" (Mt 26.39)], é prova de que não havia outra forma de o ser humano ser redimido. Quando Cristo, o perfeito homem, sem pecado e amado de Seu Pai, tomou nosso lugar, o juízo de Deus caiu sobre Ele em toda sua fúria. Qual deve ser, então, o juízo sobre os que rejeitam a Cristo e se recusam a receber o perdão oferecido por Ele! Precisamos preveni-los!
Ao mesmo tempo e no mesmo fôlego que fazemos soar o alarme quanto ao julgamento que está por vir, precisamos também proclamar as boas notícias de que a redenção já foi providenciada e que o perdão de Deus é oferecido ao mais vil dos pecadores. Nada mais perverso poderia ser concebido do que crucificar o próprio Deus! E ainda assim, foi estando na cruz que Cristo, em seu infinito amor e misericórdia, orou: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc 23.34). Assim sendo, a cruz também prova que existe perdão para o pior dos pecados, e para o pior dos pecadores.
Cuidado: não anule a cruz de Cristo!
A grande maioria da humanidade, entretanto, tragicamente rejeita a Cristo. E é aqui que enfrentamos outro perigo: é que em nosso sincero desejo de vermos almas salvas, acabamos adaptando a mensagem da cruz para evitar ofender o mundo. Paulo nos alertou para tomarmos cuidado no sentido de não pregar a cruz “com sabedoria de palavra, para que se não anule a cruz de Cristo” (1 Co 1.17). Muitos pensam: “É claro que o evangelho pode ser apresentado de uma forma nova, mais atraente do que o fizeram os pregadores de antigamente. Quem sabe, as técnicas modernas de embalagem e vendas poderiam ser usadas para vestir a cruz numa música ou num ritmo, ou numa apresentação atraente assim como o mundo comumente faz, de forma a dar ao evangelho uma nova relevância ou, pelo menos, um sentido de familiaridade. Quem sabe poder-se-ia lançar mão da psicologia, também, para que a abordagem fosse mais positiva. Não confrontemos pecadores com seu pecado e com o lado sombrio da condenação do juízo vindouro, mas expliquemos a eles que o comportamento deles não é, na verdade, culpa deles tanto quanto é resultante dos abusos dos quais eles têm sido vitimados. Não somos todos nós vítimas? E Cristo não teria vindo para nos resgatar desse ato de sermos vitimados e de nossa baixa perspectiva de nós mesmos e para restaurar nossa auto-estima e auto-confiança? Mescle a cruz com psicologia e o mundo abrirá um caminho para nossas igrejas, enchendo-as de membros!” Assim é o neo-evangelicalismo de nossos dias.
Ao confrontar tal perversão, A. W. Tozer escreveu: “Se enxergo corretamente, a cruz do evangelicalismo popular não é a mesma cruz que a do Novo Testamento. É, sim, um ornamento novo e chamativo a ser pendurado no colo de um cristianismo seguro de si e carnal… a velha cruz matou todos os homens; a nova cruz os entretêm. A velha cruz condenou; a nova cruz diverte. A velha cruz destruiu a confiança na carne; a nova cruz promove a confiança na carne… A carne, sorridente e confiante, prega e canta a respeito da cruz; perante a cruz ela se curva e para a cruz ela aponta através de um melodrama cuidadosamente encenado – mas sobre a cruz ela não haverá de morrer, e teimosamente se recusa a carregar a reprovação da cruz.”
A cruz é o lugar onde nós morremos em Cristo
Eis o “x” da questão. O evangelho foi concebido para fazer com o eu aquilo que a cruz fazia com aqueles que nela eram postos: matar completamente. Essa é a boa notícia na qual Paulo exultava: “Estou crucificado com Cristo”. A cruz não é uma saída de incêndio pela qual escapamos do inferno para o céu, mas é um lugar onde nós morremos em Cristo. É só então que podemos experimentar “o poder da sua ressurreição” (Fp 3.10), pois apenas mortos podem ser ressuscitados. Que alegria isso traz para aqueles que há tempo anelam escapar do mal de seus próprios corações e vidas; e que fanatismo isso aparenta ser para aqueles que desejam se apegar ao eu e que, portanto, pregam o evangelho que Tozer chamou de “nova cruz”.
Paulo declarou que, em Cristo, o crente está crucificado para o mundo e o mundo para ele (Gl 6.14). É linguagem bem forte! Este mundo odiou e crucificou o Senhor a quem nós amamos – e, através desse ato, crucificou a nós também. Nós assumimos uma posição com Cristo. Que o mundo faça conosco o que fez com Ele, se assim quiser, mas fato é que jamais nos associaremos ao mundo em suas concupiscências e ambições egoístas, em seus padrões perversos, em sua determinação orgulhosa de construir uma utopia sem Deus e em seu desprezo pela eternidade.
Crer em Cristo pressupõe admitir que a morte que Ele suportou em nosso lugar era exatamente o que merecíamos. Quando Cristo morreu, portanto, nós morremos nEle: “…julgando nós isto: um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Co 5.14-15).
“Mas eu não estou morto”, é a reação veemente. “O eu ainda está bem vivo.” Paulo também reconheceu isso: “…não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço” (Rm 7.19). Então, o que é que “estou crucificado com Cristo” realmente significa na vida diária? Não significa que estamos automaticamente “mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus” (Rm 6.11). Ainda possuímos uma vontade e ainda temos escolhas a fazer.
O poder sobre o pecado
Então, qual é o poder que o cristão tem sobre o pecado que o budista ou o bom moralista não possui? Primeiramente, temos paz com Deus “pelo sangue da sua cruz” (Cl 1.20). A penalidade foi paga por completo; assim sendo, nós não tentamos mais viver uma vida reta por causa do medo de, de outra sorte, sermos condenados, mas sim por amor Àquele que nos salvou. “Nós amamos porque ele nos amou primeiro” (1 Jo 4.19); e o amor leva quem ama a agradar o Amado, não importa o preço. “Se alguém me ama, guardará a minha palavra” (Jo 14.23), disse o nosso Senhor. Quanto mais contemplamos a cruz e meditamos acerca do preço que nosso Senhor pagou por nossa redenção, mais haveremos de amá-lO; e quanto mais O amarmos, mais desejaremos agradá-lO.
Em segundo lugar, ao invés de “dar duro” para vencer o pecado, aceitamos pela fé que morremos em Cristo. Homens mortos não podem ser tentados. Nossa fé não está colocada em nossa capacidade de agirmos como pessoas crucificadas mas sim no fato de que Cristo foi crucificado de uma vez por todas, em pagamento completo por nossos pecados.
Em terceiro lugar, depois de declarar que estava “crucificado com Cristo”, Paulo acrescentou: “logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gl 2.20). O justo “viverá por fé” (Rm 1.17; Gl 3.11; Hb 10.38) em Cristo; mas o não-crente só pode colocar sua fé em si mesmo ou em algum programa de auto-ajuda, ou ainda num guru desses bem esquisitos.
A missa: negação da suficiência da obra de Cristo na cruz
Tristemente, a fé católica não está posta na redenção realizada por Cristo de uma vez para sempre na cruz, mas na missa, que, alegadamente, é o mesmo sacrifício como o que foi feito na cruz, e confere perdão e nova vida cada vez que é repetida. Reivindica-se que o sacerdote transforma a hóstia e o vinho no corpo literal e no sangue literal de Cristo, fazendo com que o sacrifício de Cristo esteja perpetuamente presente. Mas não há como trazer um evento passado ao presente. Além do mais, se o evento passado cumpriu seu propósito, não há motivo para querer perpetuá-lo no presente, mesmo que pudesse ser feito. Se um benfeitor, por exemplo, paga ao credor uma dívida que alguém tem, a dívida sumiu para sempre. Seria sem sentido falar-se em reapresentá-la ou reordená-la ou perpetuar seu pagamento no presente. Poder-se-ia lembrar com gratidão que o pagamento já foi feito, mas a reapresentação da dívida não teria valor ou sentido uma vez que já não existe dívida a ser paga.
Quando Cristo morreu, Ele exclamou em triunfo: “Está consumado” (Jo 19.30), usando uma expressão que, no grego, significa que a dívida havia sido quitada totalmente. Entretanto, o novo Catecismo da Igreja Católica diz: “Como sacrifício, a Eucaristia é oferecida como reparação pelos pecados dos vivos e dos mortos, e para obter benefícios espirituais e temporais de Deus” (parágrafo 1414, p. 356). Isso equivale a continuar a pagar prestações de uma dívida que já foi plenamente quitada. A missa é uma negação da suficiência do pagamento que Cristo fez pelo pecado sobre a cruz! O católico vive na incerteza de quantas missas ainda serão necessárias para fazê-lo chegar ao céu.
Segurança para o presente e para toda a eternidade
Muitos protestantes vivem em incerteza semelhante, com medo de que tudo será perdido se eles falharem em viver uma vida suficientemente boa, ou se perderem sua fé, ou se voltarem as costas a Cristo. Existe uma finalidade abençoada da cruz que nos livra dessa insegurança. Cristo jamais precisará ser novamente crucificado; nem os que “foram crucificados com Cristo” ser “descrucificados” e aí “recrucificados”! Paulo declarou: “porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus” (Cl 3.3). Que segurança para o presente e para toda a eternidade!

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Celso Amorim

Esse é um exemplo de representação de um País antes de qualquer negociação é preciso ser um homem como esse VAMOS REPRESENTAR MELHOR A NOSSA PATRIA QUE É O CÉU!!!
The world’s best foreign minister
David Rothkofp, no blog da revista Foreign Policy Esse pode ter sido o melhor mês do Brasil desde cerca de junho de 1494. Foi quando o Tratado de Tordesilhas foi assinado, dando a Portugal tudo no mundo a leste de uma linha imaginária que foi declarada existir 379 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde. Isso garantiu que o que viria a se tornar Brasil seria português e, portanto, desenvolveria uma cultura e identidade diferentes do resto da América Latina hispânica. Isso garantiu que o mundo teria samba, churrasco, Garota de Ipanema e, através de uma incrível e tortuosa corrente de eventos, a Gisele Bundchen.
Embora o Brasil tenha levado algum tempo dando razão à máxima de que "é o país do futuro e sempre será", há poucas dúvidas de que o amanhã chegou para o país, ainda que muito tenha de ser feito para superar sérios desafios sociais e aproveitar o extraordinário potencial econômico do país.A prova de que algo novo e importante está acontecendo no Brasil começou alguns anos atrás, quando o presidente [Fernando Henrique] Cardoso gerenciou uma mudança para a ortodoxia econômica que estabilizou o país-vítima de ciclos de crescimento e crise e inflação de tirar do sério. Ganhou força, no entanto, durante o extraordinário governo do atual presidente, Luis Inacio "Lula" da Silva. Algum desse impulso se deve ao compromisso de Lula de preservar as fundações econômicas assentadas por Cardoso, uma decisão política corajosa para um líder sindical de oposição do Partido dos Trabalhadores. Parte do impulso se deve a sorte, uma mudança do paradigma energético que ajudou o investimento de 30 anos do Brasil em biocombustíveis dar retorno importante, as descobertas maciças de petróleo na costa do Brasil e a crescente demanda da Ásia que permitiu ao Brasil se tornar o líder exportador da agricultura mundial, assumindo o papel de "celeiro da Ásia". Mas muito do impulso se deve à grande capacidade dos líderes brasileiros de aproveitar o momento que muitos dos predecessores provavelmente teriam perdido. Desses líderes, muito do crédito vai para o presidente Lula, que se tornou uma espécie de estrela de rock na cena internacional, juntando a energia, a disposição, o carisma, a intuição e o senso comum tão eficazmente que a falta de educação formal não se tornou empecilho. Algum crédito vai para outros membros de sua equipe, como a chefe da Casa Civil Dilma Rousseff, a ex-ministra da Energia que se tornou uma ministra dura e possível sucessora de Lula. Mas eu acredito que uma grande parte do crédito deve ir para Celso Amorim, que planejou a transformação do papel mundial do Brasil de forma sem precedentes na história moderna. Ele é o ministro das Relações Exteriores de Lula desde 2003 (também serviu nos anos 90), mas penso que se pode argumentar que é atualmente o chanceler mais bem sucedido do mundo. É impossível apontar um único momento de mudança nas tentativas de Amorim de transformar o Brasil de um poder regional com influência internacional duvidosa em um dos países mais importantes no mundo, reconhecido por consenso global para jogar um papel de liderança sem precedentes. Pode ter sido quando ele teve um papel central na engenharia do "empurrão" dado pelos países emergentes contra o "poder-de-sempre" dos Estados Unidos e da Europa durante as negociações comerciais de Cancun em 2003. Pode ter sido o jeito que o Brasil adotou para usar questões como a dos biocombustíveis para forjar novos diálogos e influência, com os Estados Unidos ou com outros poderes emergentes. Com certeza envolveu a decisão de Amorim de abraçar a idéia de transformar os BRICs de uma sigla em uma importante colaboração geopolítica, trabalhando com seus colegas da Rússia, da Índia e da China para institucionalizar o diálogo entre os países e coordenar sua mensagens. (Dos BRICs quem se deu melhor nesse arranjo foi o Brasil. Rússia, China e Índia todos conquistaram seus lugares na mesa através de capacidade militar, tamanho de população, influência econômica ou recursos naturais. O Brasil tem tudo isso, mas menos que os outros). Também envolveu muitas outras coisas, como o aprofundamento das relações com países como a China, a promoção do Brasil como destino de investimentos, a reputação do Brasil como comparativamente seguro diante de problemas econômicos globais, o conforto que o presidente dos Estados Unidos sente em relação a seu colega brasileiro -- a ponto de encorajar o Brasil a jogar um papel como intermediário junto, por exemplo, aos iranianos. Concorde ou não com todas as decisões de Amorim, como em Honduras ou em relação a Cuba na Organização dos Estados Americanos, o Brasil tem continuado a jogar um papel regional importante ainda que seu foco tenha claramente mudado para o palco global. Nada ilustra quanto evoluiu o Brasil ou quão eficaz é o time Lula-Amorim quanto os eventos das últimas semanas. Primeiro, os países do mundo largaram o G8 e abraçaram o G20, garantindo ao Brasil um lugar permanente na mesa mais importante do mundo. Em seguida, o Brasil se tornou o primeiro país da América Latina a ganhar o direito de sediar as Olimpíadas. Ontem o Financial Times noticiou que a "Ásia e o Brasil lideram na confiança do consumidor", um reflexo da reputação que o governo vendeu eficazmente (com a maior parte do crédito indo para o ressurgente setor privado brasileiro). E nesta semana as notícias sobre o encontro do FMI-Banco Mundial em Istambul mostraram a institucionalização do novo papel do Brasil com um acordo para mudar a estrutura do FMI. De acordo com o Washington Post de hoje: "As nações também concordaram preliminarmente em reestruturar a estrutura de votação do Fundo, prometendo dar mais poder aos gigantes emergentes como o Brasil e a China até janeiro de 2011". Nada mal para alguns dias de trabalho. E embora seja o ministro da Fazenda que representa o Brasil nos encontros do FMI-Banco Mundial, o arquiteto dessa marcante transformação no papel do Brasil foi Amorim. Muito ainda precisa ser feito, com certeza. Parte tem a ver com o novo papel desejado. O Brasil quer uma vaga permanente no Conselho de Segurança da ONU e mais liderança nas instituições internacionais. Pode conquistar isso, mas terá de manter o crescimento e a estabilidade para chegar lá. Além disso, o Brasil parece inclinado a minimizar ameaças regionais como a representada pela Venezuela (Os brasileiros tendem a olhar com desprezo para seus vizinhos do norte tanto quanto o fazem para os argentinos, vizinhos do sul... e, portanto, subestimam a habilidade de homens como Hugo Chávez de causar danos). E o Brasil tem diante de si uma eleição que pode mudar o elenco de jogadores e, naturalmente, pode mudar a atual trajetória de uma série de maneiras -- boas e ruins. Mas é difícil pensar em outro chanceler que tenha tão eficazmente orquestrado uma mudança tão significativa no papel internacional de seu país. E se alguem pedisse hoje que eu votasse no melhor chanceler do mundo, meu voto provavelmente iria para o filho de Santos, Celso Amorim.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Caminhos Diferentes

Dois Caminhos Diferentes Em um sítio morava uma família muito feliz. João, Maria e seus dois filhos: Pedro e Carlos. O sítio era próximo à cidade. Enquanto Maria cuidava da casa e fazia doces gostosos, o Sr. João trabalhava na lavoura, cuidando das criações, tirando leite de vacas e cabras, o que constituía a sua principal fonte de renda para o sustento da família. Enquanto isso, seus dois filhos iam para a escola de manhãzinha. Pedro e Carlos eram duas crianças dedicadas, seus professores sempre escreviam elogios em seus cadernos. Faziam os deveres, eram comportados em sala de aula e todos da escola admiravam aquelas crianças que recebiam de seus pais uma boa educação. Além de serem bons alunos, ajudavam seus pais nos trabalhos do sítio, gostavam de praticar esportes, tinham bons colegas, iam à igreja todos os domingos e participavam da catequese. Enfim, eram crianças que toda comunidade via com bons olhos. Com o passar do tempo, as crianças foram crescendo. Enquanto Pedro continuava praticando esportes e tirando boas notas na escola, ajudando seus pais, Carlos foi mudando. Conheceu novos amigos e quando chegava em casa depois da aula, não queria fazer mais nada. Fugia sempre para a cidade para não ajudar seus pais nas tarefas da família. Começou a matar aulas para dar umas namoradinhas. Quando ia à escola não estudava, só vivia com brincadeiras. Enfim, aprontava o tempo todo tirando a atenção dos colegas, até que seus pais começaram a receber bilhetes de reclamações com freqüência. Carlos também deixou de ir à igreja e há cada dia mudava mais seu comportamento. Começou a fumar. Toda tarde quando chegava da escola, mal almoçava, já corria para a cidade para ficar com os colegas, chegando à tardinha e às vezes bem à noite. Certo dia, Carlos com quatro amigos arrumou dinheiro e compraram uma garrafa de bebida alcoólica. Desde então nunca mais Carlos parou de beber. Todo final de semana se ajuntava com os colegas e bebia cada vez mais. Chegou um tempo, em que ele não conseguia ficar um dia sequer sem tomar alguma bebida alcoólica. Um dia, um de seus amigos lhe ofereceu um cigarro de maconha e assim ele começou a usar todo tipo de drogas proibidas. Carlos, já não tinha coragem de levantar de manhã, não queria ir à escola, até que a abandonou de vez. Não fazia mais nada em casa. Brigava com a mãe, falava palavrões dentro de casa, tinha ciúmes do irmão porque Pedro era querido pelas pessoas, aplicado nos estudos e já tinha concluído a 8ª série, estava bem empregado e cursava o segundo grau. Enquanto que Carlos só dormia e comia. Não gostava de tomar banho e só falava gírias. Não se interessava por nada a não ser ficar com seus amigos usando drogas, fazendo bagunça e saindo todas as noites, chegando em casa às altas da madrugada embriagado e drogado, isto é, quando dormia em casa. Vendo aquela situação, todos queriam ajudá-lo, principalmente seus familiares e amigos, porém, Carlos sempre usava de argumentos para justificar o uso das drogas, dizendo que não era dependente e que pararia quando quisesse. Muitas vezes culpava seus familiares e assim todos ficavam com sentimento de culpa, brigando entre si e o deixando em paz. Usando de várias manipulações, Carlos continuava se drogando. Como não tinha dinheiro para comprar bebidas e outras drogas, começou a trocar suas roupas com os amigos. Não tendo mais o que trocar, passou a furtar dentro de casa. Fazia chantagem emocional com a mãe, furtava seu pai e seu irmão. Maria sua mãe já não sabia mais o que fazer, vivia chorando pelos cantos da casa. Um sábado à noite, parou um carro de polícia em frente ao portão da casa do Sr. João. Ao atender, viu que era um policial, com uma intimação para que ele fosse até à delegacia no dia seguinte, onde seu filho e mais dois colegas haviam sido presos, pois haviam cometido um furto. Grande foi a tristeza daquela família, que nunca recebera uma intimação sequer em suas vidas. Pedro um jovem responsável, sempre era aquele que dava força para a mãe, nestes momentos difíceis que a família vivia. Muitas vezes conversava com seu irmão procurando ajudá-lo, mas ele nem ligava e ainda o chamava de careta. Depois de tanto sofrimento, de ter apanhado dos policiais, ter sido preso e vendo o seu sofrimento e o de sua família, percebeu o tempo que havia perdido. Pôs-se então a refletir: Cadê os amigos que bebiam e usavam drogas comigo? Nunca foram me visitar na cadeia! Nossa! Enquanto eu nem completei a quinta série, meu irmão já está terminando o segundo grau! Teve início assim um enorme sentimento de angústia e um grande vazio tomou conta dele. Estava sem amigos de verdade. Os únicos que se aproximavam dele eram aqueles colegas que bebiam e usavam drogas. Deste momento em diante, pensou em parar de beber e usar drogas. Porém, sempre sentia vontade, porque se encontrava completamente dependente. Quando ficava um dia sem beber sentia tremuras, ficava nervoso e ansioso. Enquanto não bebesse ou usasse algum tipo de droga, não conseguia melhorar e quando fazia o uso, não conseguia se controlar. Ficava tão mal, que se as pessoas não o levassem para casa, ele dormia em qualquer lugar. Era uma situação deplorável. Já cansado dessa vida de sofrimento, vendo que não conseguia parar com as drogas resolveu pedir ajuda a sua família. Ficou sabendo que um grupo de dependentes se reunia uma vez por semana para receberem informações de como se auto-ajudarem e assim não fazerem mais uso de álcool nem de outras drogas. Carlos então começou a participar desse grupo. Toda semana lá estava ele, sem perder nenhuma reunião, até que em determinado momento não sentiu mais necessidade de beber, mas sabia que não podia provar mais nenhuma bebida alcoólica e nem usar qualquer outro tipo de droga, senão começaria tudo de novo. Depois de um certo tempo, voltou para a escola, fez o supletivo, conheceu novos amigos, voltou a freqüentar a igreja com seu irmão Pedro, que sempre acompanhava de perto a vida de Carlos e nunca havia experimentado drogas. Estava bem empregado, tinha uma excelente namorada e ajudou Carlos a arrumar um emprego. Aquela família que um dia foi tão feliz no início e que passara por tanta dificuldade e sofrimento, devido a bebedeira e as drogas de Carlos, depois de muito tempo pode voltar a sorrir novamente. João e sua esposa a partir da dependência de seu filho, passaram a freqüentar grupos de auto-ajuda e também a ajudarem através de reuniões, a outras famílias que viviam o mesmo drama. Com a sobriedade do filho, intensificaram muito mais esta ajuda, pois tinham sentido na pele, todo este sofrimento dentro de casa. Desde que Carlos deixou as drogas, passou a ajudar outras pessoas dependentes que não conseguiam vencer a dependência. Criou uma sala de reuniões onde duas vezes por semana se reuniam para se ajudarem mutuamente. Também preocupado com a prevenção, sempre fazia palestras nas escolas e igrejas, alertando adolescentes, jovens e famílias para o mal que o cigarro, a bebida e outras drogas fazem, tanto para a pessoa, quanto para a família. Também em suas palestras falava para os adolescentes e jovens sobre o valor do estudo, da prática de esportes, da importância da espiritualidade e que toda vez que estivessem com algum problema, procurassem pessoas amigas e de confiança para conversar. Sempre alertava que a bebida é uma droga que leva as pessoas a buscarem outros tipos de drogas.

Tome uma atitude




A vida nos cobra tomar decisões constantemente. Cada escolha determina um fato no futuro. Cada fato uma vivência inadiável. Cada experiência uma mudança imposta. Escolher é fácil quando nossos sentimentos e ilusões não estão envolvidos. Somos livres para escolher nossas ações. Mas prisioneiros de suas consequências. Todo momento é decisivo. Temos que decidir sempre entre o que é bom e o que é mal, entre nossas ambições desmedidas e o nosso bom senso interior. Por isso é preciso descobrir se teremos a coragem de ficar do lado de nossa alma ou preferimos mentir para nos mesmos. Mas, seja qual for a nossa escolha, lembremos que nada fica sem respostas.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009




Meu nome é Renato quero expor minha opinião sobre esse caso. O ser humano, não é uma criatura dificil de entender...porém cada um tem a sua limitaçoes e capacidades, do ponto de vista de cada um, "o homem é o que pensa". As vezes buscamos respostas, para determinados acontecimentos, que surgem a pergunta o porque! com ela! porque? tão linda cheia de vida! um futuro lindo interrompido arrancado brutalmente repetinamente por um rapaz. O que foi que ela fez? para merecer tão pesado castigo? a vida em troca de quer? de um ciúme? ou por falta de alto estima? quem era o que era! o que faz da vida esse rapaz? para tirar uma vida? por uma vigança grosseira? achando que tirar uma vida os tormentos do dia a dia terminariam...a caso que tipo de doença, é vista de uma mente que calcula a morte de uma pessoa? que prazer tem em acabar com a existênçia de uma pessoa? o que justifica essa atitude? É mais um caso, que ficará no estigma desse país injusto,mais não temos que ficar revoltados com o mal, a cada dia nos noticiario...pelo contrario temos que fica sóbrios que o mal ainda é motivo para estar a cada momento sendo noticiado...porém temos que fica preoculpados, quando a bondade e integridade das pessoas, fiquem tão raras, que precisem ser noticiados dia a dia. Se o mal ainda é noticia pior vai ficar quando o bem virar noticia!

Eloá era o nome dessa jovem eu não tenho nada a declarar sobre os motivos doentinho que levou esse rapaz a cometer esse crime édiondo porém tenho o meu parecer. O Pai dela! é causa da derrota e perda da filha! que tipo de pai deixa sua filha namorar com um rapaz que ele sabia que era um criminoso? Pobre criatura perdeu a vida...e quem foi! ou quem é o culpado? o namorado? o Pai? ou ela?. O namorado por ter uma vida derrotada por falta de amor a si...achando que a vida acabou porque era rejeitado...coitadinho talves tirando a vida dela, ele seria feliz né, burrice!
O pai por saber que ele era um criminoso. E Ela por saber que ele era ciúmento deixou ser levada por paqueras que piorou toda situação. Mais nada justifica a morte de uma pessoa.

A maquina

O sonho de todo motociclista é... cada vez mais aumentar a cilindrada de sua moto...eu tenho uma CG 150 não tenho vergonha disso porém minha vontade é pilotar uma maquina dessas! Mais quando? como? não sei ! o importante é continuar sonhando porque o sonho é o meu consolo...mais a fé pode chegar aonde eu não posso...não quero comprar uma dessa...minhas condição é limitada mais tenho fé que irei pelos menos pilotar uma.

domingo, 16 de agosto de 2009

Mudar o fica na mesmice?

Mudar ou ficar na mesmice?
Toda tentativa de mudança pode produzir insegurança, medo e desejo de manter a rotina já conhecida. Não adianta a pessoa reclamar do destino, ao invés de tentar mudar e começar algo novo. Se nada for feito, a tendência é de maior agravamento dos problemas a cada dia que passa, podendo surgir sintomas de angústia, depressão, úlcera, labirintite e outros distúrbios psicossomáticos.É possível ter a ilusão de acostumar-se com os problemas, quando na verdade eles não param de crescer. Muitas vezes as pessoas insistem em comportamentos negativos e depois reclamam. Reclamar é inútil, pois a única saída é analisar a situação e buscar uma solução. Repetir os mesmos erros e esperar que os resultados melhorem é acumular frustrações. Isso só pode nos deixar infelizes.Por que muitas pessoas obesas ou com sobrepeso têm tanta dificuldade em perder peso? Por que provavelmente repetem práticas comportamentais e emocionais que dificultam o emagrecimento. De forma simplificada, podemos dizer que essas pessoas ficam presas num círculo vicioso que as impede de concretizar seus objetivos.Por isso é importante reagir, começar agora a mudar a situação indesejada: estudar, trabalhar, cuidar da saúde, estabelecer relações prazerosas, adquirir novos hábitos de vida, organizar-se. Manter vínculos com pessoas que possam dar apoio e estímulo para novas conquistas pode ajudar na superação dos problemas, mas não se deve esperar que façam o papel de salvadores do fundo do poço. Cada pessoa deverá encontrar a melhor solução para si mesma.O autoconhecimento é a base para qualquer mudança de vida e muitas vezes a ajuda de um psicólogo pode facilitar esse processo. Na vida, podemos ser problema ou solução. Se formos apenas problema, ninguém gostará de ficar ao nosso lado, pois provavelmente seremos uma pessoa amarga. Se formos solução, teremos a chance de conquistar a maturidade com sabedoria. Cada um escolhe o seu caminho!

Relacionamentos

Quem nunca vivenciou um fracasso, momentos de crises e de perdas na sua história ou nunca fez nada na vida, jamais se submetendo à possibilidade do fracasso, ou é um ser humano infalível, um super-herói. Afinal, todos sabemos que, desde a Queda, ficamos com um “defeito de série”, estando sujeitos ao fracasso seja na área espiritual, seja na profissional e na afetiva. Contudo, quando isto acontecer, é muito importante estar aberto e ser flexível para fazer as mudanças necessárias. Esteja preparado para aprender com o seu fracasso! Este faz parte do nosso processo de crescimento, aprendizado e aprimoramento. Davi, por exemplo, entendeu a importância da íntima comunhão com Deus quando fracassou, cometendo um adultério e um homicídio. Após ter pecado, Davi se arrependeu, confessou-se e suplicou o perdão de Deus. Por fim, disse: Não me lances fora da tua presença e não retires de mim o teu Espírito Santo (Salmo 51.11). Davi cresceu com o seu fracasso. Compreendeu o segredo de ter Deus como Senhor de toda a sua vida e percebeu que dependia da presença do Criador diariamente. Muitas vezes passamos por situações difíceis em nossos relacionamentos, crises financeiras, desemprego, doenças. Entretanto, nunca nos esqueçamos que Deus está no controle. Ele é soberano. Lembremos que seremos julgados não por nossos fracassos, mas pelo que fazemos com eles; pela maneira como reagimos a eles. Você já leu biografias de pessoas que venceram na vida? Se ler, verá que elas não omitem seus fracassos; ao contrário, revelam-nos e afirmam que se tornaram vitoriosas a partir deles. E o que dizer dos homens e das mulheres mencionados na Bíblia; personagens como Abraão, Sara, Davi, Raabe, a mulher samaritana? Aprenda a utilizar o fracasso como aprendizado para a sua vida. O mais importante é o que você faz depois. Algumas vezes, será preciso visitar o passado para verificar onde foi que você falhou e tentar mudar. Muitas das dificuldades e dos sofrimentos vividos, e não totalmente resolvidos, costumam acumular-se em nosso inconsciente de forma velada, recalcada, que se manifesta interferindo em nosso comportamento presente e até futuro. Por isso, revisitar o passado pode ser útil, obrigando-nos a refletir sobre o que gostaríamos de mudar em nós, em nossos relacionamentos e em nossa jornada. Revisitar o passado nos ajuda a limpar a nossa mente e equilibrar nossas emoções por meio do perdão, da graça e do amor. Assim, tornamo-nos pessoas sem fobias, traumas e, principalmente, sem autocomiseração, pena de nós mesmos. Sabe quando você poderá considerar-se uma pessoa adulta, livre e dona de sua história? Quando se deparar frente a frente com o sucesso e com o fracasso, e conseguir lidar da mesma forma com essas duas situações, porque aprendeu que na vida há momentos de tristeza e de alegrias; de perdas e de ganhos; de erros e de acertos; mas tudo isto traz consigo oportunidades de aprendizado. O apóstolo Paulo entendeu o que é vivenciar o fracasso e o sucesso em sua vida. Ele disse: Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece (Filipenses 4.12,13). Que você também compreenda esse segredo e não se deixe levar pelo fracasso momentâneo, sentindo-se inferiorizado. Que também não se iluda com o sucesso, nutrindo um sentimento de superioridade em relação aos outros. Que tanto o fracasso como o sucesso tragam para a sua vida crescimento nas áreas espiritual, emocional, física e material. Um forte abraço! Que Deus o abençoe!